Tapurah: Fazendeiro suspeito de matar trabalhador é solto pela Justiça

Crédito: Reprodução

O Fazendeiro de 56 anos, principal suspeito de matar o empregado de sua Fazenda Dinaldo Machado Lopes, 52 anos de idade, no município de Tapurah, que foi preso temporariamente no último sábado, pela Polícia Civil, foi solto nesta quarta feira (1), por decisão da Juiza Patrícia Bedin, da Comarca de Tapurah.
O delegado de Policia Civil, Arthur Andrade Almeida, havia representado pela prorrogação da Prisão Temporária, mas a Juiza da Comarca indeferiu o pedido.

Nesta quinta feira (2), o delegado afirmou que mesmo com a soltura do principal suspeito de autoria do crime, o Inquérito que corre sobre segredo de justiça, prossegue normalmente. Ele reafirmou que está aguardando novos exames e laudos periciais para a conclusão do inquérito.

A motivação do crime, ainda não foi revelada pela polícia, o delegado disse que mandou periciar o celular e as armas apreendidas em residências pertencentes ao fazendeiro. O delegado revelou que existe possibilidade de que o homicídio do trabalhador rural, possa estar relacionado a um crime passional.

O caso

O Delegado de Polícia Civil de Tapurah, Arthur Andrade de Almeida, falou em entrevista nesta segunda feira (29) das linhas de investigações para apurar a autoria e a motivação do crime de homicídio do Trabalhador Dinaldo Machado Lopes, 52 anos de idade.

O dono da fazenda onde a vítima prestava serviços, foi preso após a Politec, ter descartado o ataque de onça, como a causa da morte do trabalhador rural.

De acordo com o delegado, foi o próprio fazendeiro que criou essa narrativa com intuíto de dispistar as investigações policiais. Foram decretadas pela Justiça de Tapurah três pedidos de buscas e apreensões domiciliares. As buscas foram realizadas na Fazenda do investigado e em mais duas residências de Tapurah e no Distrito de Ana Terra.

Investigação

Aos policiais civis, o proprietário da Fazenda de 56 anos de idade, que ainda não teve seu nome revelado, afirmou que no dia do crime, a vítima foi encarregada de consertar uma cerca na propriedade.

Aproximadamente duas horas depois, a esposa da vítima percebeu a ausência prolongada e perguntou ao acusado, onde Dinalto estava.

O acusado então, de acordo com a esposa de Dinalto, momentos depois passou a gritar que a vítima estava mortae que tinha lesões que eram de ataque de onça, baseado-se nos ferimentos e na suposta trilha deixada pelo animal.

No entanto, a Polícia Técnica, apresentou conclusões do exame de necrópsia e do laudo dos vestígios, que contrariaram as versões apresentadas pelo suspeito.

As lesões encontradas no corpo da vítima foram consideradas incompatíveis com ataque de animal felino, indicando cortes provocado por instrumentos cortantes e perfurações por arma de fogo.

Além disso, durante a análise da cenado suposto ataque, foram detectados cápsulas de muniçõesdeflgradas, em um local próximo a sede da fazenda, aproximadamente 260 metros de distância.

Essa prova levantou sérias suspeitas sobre a versão apresentada pelo fazendeiro acusado da autoria do crime, sugerindo que o incidente tratou se de um homicídio disfarçado.

Diante das evidências coletadas, a Polícia Civil representou pelo mandados de prisão temporária e buscas e apreensões. Em uma das residências do acusado, foram apreendidas três armas de fogo e diversas munições.

Segredo de Justiça

Na manhã desta segunda feira o Delegado Arthur Andrade Almeida, afirmou que o Inquérito Policial corre em segredo de Justiça e que aguarda pelos resultados de novos exames e laudos periciais para a conclusão do inquérito. A prisão temporária do fazendeiro de 05(cinco) dias, poderá ser prorrogada ou convertida em prisão preventiva nos próximos dias.

O fazendeiro está preso na Delegacia de Polícia de Tapurah. O delegado não descarta que o crime pode envolvimento passional. “Foram apreendidos celular e algumas armas da residência do acusado e ainda haverá cofronto balístico, para saber se os tiros saíram de algumas das armas que estavam na casa do fazendeiro. Para isso, são aguardados os resultados dos exames”, frisou o Delegado.

Sobre a vítima

Dinalto Machado Lopes trabalhava a cerca de 08(oito) meses na fazenda do acusado de autoria do homicídio. O delegado revelou que a vítima tinha uma passagem por violência doméstica registrada na Delegacia de Polícia Civil de Tapurah.

Fonte: Portal JVC

Mais notícias

Itanhangá: Polícia Militar age rápido e retira invasores de propriedade rural. Vídeos

Bandidos armados rendem caseiros e roubam armas e caminhonete de fazenda na MT-338

Polícia Civil apreende maconha, pasta base e cocaína que eram transportadas em veículo

Polícia Civil fecha fábrica clandestina de armas de fogo e prende idoso responsável pelo local

Roubos de gado reduzem 82% em MT nos primeiros meses de 2024; furtos de carga têm queda de 73%

Caseiro é resgatado de trabalho análogo à escravidão após 16 anos sem receber salário