Sicredi neutraliza emissões de carbono; ação é referente aos anos de 2022 e 2023

Crédito: Divulgação

Integrante do Pacto Global das Nações Unidas (ONU), o Sicredi realizou a neutralização das emissões calculadas no seu Inventário de Gases de Efeito Estufa de 2022 e projetadas para o ano de 2023. Ao todo, foram neutralizadas 34.565 toneladas de carbono provenientes da operação de todas as sedes administrativas e agências. A neutralização foi realizada por meio de apoio a sete projetos de créditos de carbono de diferentes regiões do Brasil.

Pelo segundo ano consecutivo, a estratégia do Sicredi é neutralizar as emissões do ano anterior e adiantar a compensação daquelas previstas ao período em vigor. Foram adquiridos créditos de carbono das seguintes iniciativas: projeto Buenos Aires, em Pernambuco; projeto Reunidas, no Tocantins; projeto Unitor REDD+, no Amazonas; projeto Compostagem, em Santa Catarina; projeto BT Geradora, no Rio Grande do Sul; projeto PCH Itaguaçu, no Paraná e projeto Tambaú, Pedras e Rio do Sapo, com Pequenas Centrais Hidrelétricas (PCHs) no Rio Grande do Sul, em Santa Catarina e no Mato Grosso, respectivamente. Todos os projetos são executados com base nas melhores práticas, com auditoria e certificação de organizações reconhecidas mundialmente.

“A nossa principal motivação é apoiar projetos que resultam em impactos positivos às comunidades, oferecendo benefícios sociais, ambientais e econômicos e refletindo em contribuições para os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável da ONU. Além disso, os projetos dialogam com a nossa estratégia de sustentabilidade, contribuindo com a nossa premissa de integração com as regiões onde estamos presentes”, afirma Alexandre Barbosa, diretor executivo de Sustentabilidade, Administração e Finanças do Sicredi.

Por meio do seu Programa de Ecoeficiência e Mudanças Climáticas, a instituição busca uma evolução constante da gestão de emissão de gases de efeito estufa. Um exemplo dessas ações é a utilização (que envolve compra ou autogeração) de energia elétrica de fonte renovável, que, somente em 2022, evitou a emissão de mais de 800 toneladas de carbono na atmosfera.

“O setor financeiro tem um papel muito importante para colaborar mundialmente na transição para uma economia de baixo carbono. A partir da mensuração do impacto das atividades que financiamos, poderemos contribuir cada vez mais com uma agenda positiva de combate às mudanças climáticas ao mesmo tempo em que colaboramos com o desenvolvimento dos nossos associados e suas localidades”, ressalta Barbosa.

Para saber mais sobre a estratégia de Mudanças Climáticas do Sicredi, acesse: https://www.sicredi.com.br/site/sobre-nos/sustentabilidade/mudancas-climaticas/

Fonte: Assessoria Sicredi

Mais notícias

Itanhangá: Projetos e indicações foram votadas na ultima sessão da Câmara De Vereadores

Homem morre em colisão entre motos e dois estão hospitalizados

Governo de MT entrega 281 km de asfalto novo da MT-140

Sistema para ressarcir golpes do pix vai mudar; Veja dicas

Tabaporã: Cabo PM de folga evita linchamento com possível assassinato brutal

Brasnorte: Homem que assassinou jovem por causa de vídeo no TikTok é condenado a mais de 13 anos de prisão