Produtores pedem ao Governo Federal redução da carga tributária sobre ração

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email

Os produtores de pescado filiados à PEIXE BR – Associação Brasileira de Piscicultura – encaminharam pedido, ao Governo Federal, para que reduza a carga tributária incidente sobre os insumos de fabricação da ração usada no processo de crie e engorda dos cardumes. Segundo a carta, publicada na manhã desta segunda-feira (24), “a piscicultura brasileira enfrenta, como as demais atividades animais, um terrível desafio: o explosivo aumento dos custos de produção, especialmente pelo salto impressionante nos preços do farelo de soja e do milho – que, juntos, representam cerca de 70% do valor da ração”.

Os piscicultores lembram que, de acordo com dados publicados recentemente no índice CEPEA da USP – Universidade de São Paulo – o milho sofreu, nos últimos meses, valorização de até 125%, dependendo da praça, dobrando de preço na média nacional. Em contrapartida, explicam, o preço do quilo do pescado continuou estável ao longo do mesmo período: “Como resultado, o produtor não suporta mais o aumento significativo nos preços da ração de peixe. O mercado é soberano e o aumento dos preços da soja e do milho decorrem de uma série de fatores. Porém, a piscicultura precisa de ajuda para superar este momento”.

PEDIDO AO GOVERNO – Em nome dos piscicultores, a PEIXE BR usará estes dados para buscar, junto ao Governo Federal, a redução dos impostos sobre a ração.

“O governo federal tem se mostrado sensível em relação a outros tributos, como dos combustíveis. Esperamos que também tenha sensibilidade em relação à ração para peixes de cultivo e, assim, ajudar os piscicultores a enfrentarem esse momento de nossa economia”, explica o texto.

OUTROS SETORES – A PEIXE BR usa as medidas de apoio anunciadas pelo Palácio do Planalto a outros setores, como o de suínos e aves, que já contam com decretos semelhantes. Na avaliação da instituição, oferecer o mesmo benefício aos produtores de pescado confinado é uma questão de bom senso: “Nesse momento, a piscicultura está em desvantagem e espera que o bom senso das autoridades em benefício de mais de 230 mil produtores de peixe espalhados pelo país que geram renda, emprego e alimentos saudáveis para os brasileiros”.

 

Fonte: Canal Rural