Neri Geller Visita Itanhangá e orienta produtores sobre Plano Agrícola 2017/2018

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email

O Secretário Nacional de Política Agrícola, Neri Geller esteve na nossa cidade na última sexta feira (21) e falou sobre o aumento dos valores disponibilizado para a nossa agricultura, redução de juros e sobre os problemas de regularização fundiária e de embargos do IBAMA.

Segundo ele o Plano Safra avançou, desburocratizou, reduziu a taxa de juros, gerando uma capacidade de pagamento e mais facilidade para acessar o credito, e dentro dessas condições nós trabalhamos também a questão ambiental, mas principalmente a medida 759 que é da regularização fundiária, sendo um grande marco na história do país, extraordinário, do ponto de vista de aumentar a produção, pois vamos trazer cerca de 30 milhões de hectares que estão fora do setor de produção agrícola em função da falta de documento, mas com essa medida provisória conseguiremos fazer a regulamentação andar e um dos municípios mais beneficiados com isso, será o município de Itanhangá, aqui tem tanto problema, aqui é uma fronteira agrícola, as pessoas estão com vontade de trabalhar e não pode trabalhar porque o governo acaba atrapalhando.

Para o presidente da Câmara de Vereadores é importante a visita do secretário, pois a população participou, os agricultores participaram, foram esclarecidos vários pontos que os produtores estavam em dúvida, mostrando que o secretario através do ministério está trabalhando para trazer o desenvolvimento para a nossa região.

 Para Edu Pascoski , prefeito de Itanhangá, a participação de alguns agricultores e da comunidade, foi importante para esclarecer alguns dos problemas da cidade e o conhecimento de Neri Geller será de grande ajuda “Essa é a grande dificuldade e nosso grande desafio, estamos tendo problemas com pequenas propriedades embargadas pelo IBAMA, que precisa de uma articulação, de buscar uma solução, porque nós não estamos aqui pra passar a mão na cabeça de ninguém, mas que eles possam dizer qual é o caminho e o que esses produtores precisam fazer”.

Fonte: Redação ITANOTICIAS