Homem é preso em flagrante por perseguir mulheres

Crédito: Divulgação

Uma mulher de Sorriso, Mato Grosso, procurou a Delegacia de Polícia Civil na manhã de quarta-feira (03) para denunciar um homem de 30 anos que a perseguia diariamente. Segundo a vítima, o homem ficava em frente ao seu trabalho todas as manhãs esperando que ela e outras mulheres passassem, e as encarava.

A situação se agravou quando o homem começou a esperar a vítima no horário de saída e a persegui-la. Na madrugada de quarta-feira, a vítima avistou o suspeito enquanto ia para o trabalho e correu para a delegacia, onde comunicou o fato.

Investigação e prisão

Após tomar conhecimento da denúncia, uma equipe de investigadores da Polícia Civil se deslocou até o local indicado pela vítima e encontrou o suspeito, vestido apenas com um short, em frente à empresa. Ele foi preso em flagrante pelo crime de perseguição, previsto no artigo 147 do Código Penal.

Outras vítimas

No momento da prisão, uma jovem que passava de bicicleta pelo local relatou aos policiais que também era vítima do homem. Ela disse que todos os dias quando passava pelo local o suspeito estava parado em frente da empresa observando e encarando as mulheres. A jovem também se dispôs a prestar depoimento.

Na delegacia, os policiais descobriram que o suspeito é de Nova Ubiratã e que havia outros sete boletins de ocorrência registrados contra ele por crimes de ato obsceno e perseguição. Em todos os boletins, as vítimas narram que o suspeito mostrava suas partes íntimas.

Fonte: Portal Sorriso

Mais notícias

Itanhangá: Polícia Militar age rápido e retira invasores de propriedade rural. Vídeos

Bandidos armados rendem caseiros e roubam armas e caminhonete de fazenda na MT-338

Polícia Civil apreende maconha, pasta base e cocaína que eram transportadas em veículo

Polícia Civil fecha fábrica clandestina de armas de fogo e prende idoso responsável pelo local

Roubos de gado reduzem 82% em MT nos primeiros meses de 2024; furtos de carga têm queda de 73%

Caseiro é resgatado de trabalho análogo à escravidão após 16 anos sem receber salário