Governo de MT esclarece que escolas militares não serão fechadas

Crédito: Divulgação

Mato Grosso não será afetado com a decisão do governo federal de encerrar o Programa Nacional das Escolas Cívico-Militares (Pecim). De acordo com o governador Mauro Mendes (União), o Estado possui 26 escolas e apenas uma, em Cáceres, está sob gestão do governo federal.

“Essa suspensão se aplica somente às escolas do governo federal. Em Mato Grosso, temos apenas uma, que é em Cáceres, que vai continuar existindo como escola cívico-militar, tocada pelo governo do Estado”, afirmou o governador.

“Pode ficar todo o mundo tranquilo das escolas cívico-militares do nosso Estado, que têm dado bons resultados, em termos de disciplina e desempenho dos nossos alunos. Pode ter certeza que as 26 escolas vão continuar com as atividades normalmente”, resumiu Mauro.

Esta semana, o Ministério da Educação (MEC) enviou um ofício aos secretários de Educação informando que o programa será finalizado e que deverá ser feita uma transição cuidadosa das atividades para não comprometer o cotidiano das escolas. O Pecim era a principal bandeira do governo de Jair Bolsonaro para a educação. O programa era executado em parceria entre o MEC e o Ministério da Defesa. Por meio dele, militares atuam na gestão escolar e na gestão educacional. O programa conta com a participação de militares da reserva das Forças Armadas, policiais e bombeiros militares.

Desde que assumiu o governo, a equipe do presidente Luiz Inácio Lula da Silva estuda como finalizar o Pecim sem prejudicar as unidades que aderiram ao programa. No ofício, o MEC informa que será iniciado um processo de “desmobilização do pessoal das Forças Armadas envolvidas na implementação e lotado nas unidades educacionais vinculadas ao programa, bem como a adoção gradual de medidas que possibilitem o encerramento do ano letivo dentro da normalidade necessária aos trabalhos e atividades educacionais.”

A pasta também solicita aos coordenadores regionais do Programa e Pontos Focais das Secretarias que assegurem “uma transição cuidadosa das atividades que não comprometa o cotidiano das escolas e as conquistas de organização que foram mobilizadas pelo Programa”, acrescenta o texto.

Com o encerramento do programa, de acordo com o MEC, cada sistema de ensino deverá definir estratégias específicas para reintegrar as unidades educacionais às redes regulares. A pasta diz ainda, no ofício, que está em tramitação uma regulamentação específica que vai nortear a efetivação das medidas.

Segundo o MEC, 216 escolas aderiram ao modelo nas cinco regiões do país.

Fonte: Só Notícias

Galeria de Imagens da notícia

Mais notícias

MT tem diversas opções de lugares para passear nas férias de julho. Fotos

MT oferece primeiro curso técnico de Cuidador de Alunos com Deficiência do país

Itanhangá: Venha aproveitar as vantagens do feirão SICREDI de energia solar

Poeira em estrada pode ter causado acidente fatal de jovem na MT 338

Idoso de 69 anos morre em grave acidente entre três veículos na BR-163

Itanhangá: Município sediou o maior torneio de bocha do Vale Do Arinos. Fotos