Mulher é encontrada morta com tiros na cabeça em área de mata

Crédito: Reprodução

Na manhã desta sexta-feira (08.12), o corpo de Rosângela da Silva Santos, de 36 anos, foi descoberto em uma área de mata situada entre os bairros Morada do Bosque II e III, em Sorriso. A vítima apresentava múltiplos ferimentos provocados por disparos de arma de fogo na região da cabeça.

Conforme relatos de moradores locais, durante a madrugada, foram ouvidos cerca de oito disparos, o que levantou suspeitas sobre a ocorrência. Foi somente pela manhã que transeuntes que caminhavam pela área de mata encontraram o corpo e prontamente acionaram as autoridades policiais.

O Tenente-Coronel Jorge Almeida, da Polícia Militar, informou que a guarnição foi chamada ao local após o recebimento da denúncia de um homicídio. Ao chegar, constatou-se que a vítima, Rosângela, já era conhecida das autoridades policiais e havia sido abordada em diversas ocasiões nas proximidades do Benjamin Raiser, sendo classificada como usuária de substâncias entorpecentes.

Entretanto, o Coronel ressaltou que, neste momento, não é possível afirmar que o crime está diretamente ligado ao tráfico de drogas. A motivação do homicídio será objeto de investigação por parte da Polícia Judiciária Civil (PJC).

As equipes da Politec e da Polícia Civil foram acionadas para iniciar os procedimentos de perícia e investigação, respectivamente. O caso lança sombras de mistério sobre a comunidade, que aguarda respostas sobre os motivos e os responsáveis pela trágica morte de Rosângela da Silva Santos.

Fonte: Portal Sorriso

Mais notícias

Itanhangá: Polícia Militar age rápido e retira invasores de propriedade rural. Vídeos

Bandidos armados rendem caseiros e roubam armas e caminhonete de fazenda na MT-338

Polícia Civil apreende maconha, pasta base e cocaína que eram transportadas em veículo

Polícia Civil fecha fábrica clandestina de armas de fogo e prende idoso responsável pelo local

Roubos de gado reduzem 82% em MT nos primeiros meses de 2024; furtos de carga têm queda de 73%

Caseiro é resgatado de trabalho análogo à escravidão após 16 anos sem receber salário