“Apenas uma família da área realmente precisa de moradia”, afirma Cattani

Crédito: Divulgação

Membro da Comissão Parlamentar da Assembleia Legislativa de Mato Grosso(ALMT), que tratará a questão da invasão de uma área particular na região do Contorno Leste, em Cuiabá, o deputado estadual Gilberto Cattani (PL) detonou o grupo de “grileiros” que promoveu a invasão do local, batizado de “Loteamento Brasil 21”, entre os bairros Osmar Cabral e Doutor Fábio.

O grupo de invasores foi removido do local pela Polícia Militar na terça-feira (12) e, segundo o deputado, existe sim uma demanda por moradias populares na capital, porém repudiou a atitude do grupo, afirmando que invadir propriedades particulares não é o caminho para solucionar o problema.

“Na verdade, [o Brasil 21] não é um assentamento, é uma simples invasão de propriedade privada. E nós defendemos a propriedade privada, de qualquer um, qualquer pessoa que seja. Existe uma demanda de falta de moradia no Estado, e quem tem que arcar com esse ônus é o Estado, não um particular. Então nós não podemos espalhar a ideia de que um matogrossense pode tomar o patrimônio de outro, porque ele não tem”, disse Cattani.

Questionado se estaria sendo injusto com as pessoas que estavam no local, o deputado foi categórico ao afirmar que através de um levantamento feito pelas Forças de Segurança, das várias famílias que estavam na área invadida, na invasão, apenas uma está realmente em situação de vulnerabilidade por falta de moradia.

“Essa semana depois da reintegração de posse que aconteceu (…), foi divulgado que estavam construindo até casa com piscina lá, com arquiteto e tudo mais. Então dá a impressão que lá também não tem só pessoas que realmente precisam, né?”, asseverou.

“Não estou dizendo que as pessoas que estão lá são bandidos (…). Tem pessoas de todo o tipo lá [no Brasil 21]. Mas que precisam realmente de residência, segundo o que nós [da Assembleia] apuramos nos relatórios policiais, me parece que é uma família só que realmente está em estado de vulnerabilidade”, garantiu.

Segundo Cattani, a comissão criada exclusivamente para acompanhar o caso Brasil 21 deve ouvir os proprietários da área invadida na segunda-feira (18) as 14 horas, durante sessão na Assembleia Legislativa.

“Essa comissão foi formada hoje só para nós irmos no Governo do Estado pra resolver isso. (…) Para você poder sanar o problema de moradia, você precisa ter um programa do Governo, dentro da legislação, dentro da lei. O que a lei diz para que essas pessoas possam ter sua moradia? É isso que nós temos que seguir. A invasão nunca foi uma opção”, concluiu.

Fonte: Única News

Mais notícias

Itanhangá: LCI TELECOM reinaugura em prédio próprio nesta sexta-feira

Caminhoneiro morre eletrocutado ao tentar salvar boi em carreta

Itanhangá: Projetos e indicações foram votadas na ultima sessão da Câmara De Vereadores

Homem morre em colisão entre motos e dois estão hospitalizados

Governo de MT entrega 281 km de asfalto novo da MT-140

Sistema para ressarcir golpes do pix vai mudar; Veja dicas