Tratores apreendidos por crimes ambientais podem ir para agricultura familiar

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email
Legenda /Crédito da Foto: Divulgação

As máquinas que antes serviam para derrubar a floresta, agora são aproveitadas para agricultura indígena, através de projeto econômico e social realizado em General Carneiro.

Os tratores esteiras estão gradeando a terra dos Bororo e Xavante. Os maquinários foram retirados de locais de desmatamento pelas equipes de fiscalização da secretaria de Estado de Meio Ambiente, e contaram com o serviço de remoção custeado pelo programa REM Mato Grosso, que é uma premiação ao governo estadual pelos resultados na redução do desmatamento nos últimos 10 anos.

A ideia é que esses equipamentos tenham as suas funções revertidas em benefício à população em diferentes situações, seja para ajudar a pavimentar uma estrada, construir uma ponte ou para uso na agricultura familiar. Neste caso, a prefeitura de General Carneiro resolveu criar um projeto para garantir tanto a renda quanto a segurança alimentar dos indígenas, que estão plantando arroz, milho e feijão.

Ao todo, os tratores esteiras irão gradear 58 hectares, sendo 49 em aldeias Xavantes e 8 em aldeias Bororos, onde a vegetação predominante é o Cerrado.

A prefeitura interessada em ser fiel depositária do maquinário utilizado em crimes ambientais deve encaminhar ofício aos cuidados da secretária de Estado de Meio Ambiente, Mauren Lazzaretti. No ofício, o gestor deve especificar qual tipo de veículo mais necessário ao município – se trator de pneu, de esteira ou pá-carregadeira. Ele também deve explicar para quais fins públicos o bem será utilizado.

Fonte: Sema MT