Tapurah: Padre paróquia chama repórter de “viadinho” durante a missa

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email
Legenda /Crédito da Foto: Reprodução

O padre Paulo Antônio Müller, da Paróquia NSA de Tapurah (a 428 km de Cuiabá), chamou o repórter da TV Globo, Pedro Figueiredo, de ‘viadinho’, no ultimo domingo (13).

O profissional havia recebido uma declaração do marido durante o programa RJTV, que também é repórter na emissora. “Não é como a Globo apresenta, dois viados, me desculpa, mas dois viados, um repórter pra um viadinho chamado Pedrinho. Ridículo”, disparou o padre.

Para o religioso, o casamento de ‘verdade’ só existe entre homem e mulher. “Que chamem a união de dois viados, de lésbicas do que quiserem como querem, mas não de casamento, por favor. Isso é uma falta de respeito para com Deus, isso é sacrilégio é blasfêmia”, disse o padre.

A fala do padre ganhou repercussão na transmissão ao vivo da igreja. Vários internautas comentaram a indignação referente à fala de Paulo Antônio. “Homofobia é crime. Não são mais os anos 90. Não é mais tolerado o preconceito”, comentou uma internauta “Agora quanto aos padres molestarem crianças, ai tudo bem né Santa Igreja Católica!?”, questionou outro seguidor no Facebook.

O padre também incentivou os fieis a não aceita a orientação sexual das pessoas e nem a união entre elas. “Que essa não seja a sua cabecinha, nem a do seu filho”, concluiu.

A missa foi transmitida pela página da Paróquia Nossa Senhora Aparecida no Facebook. Internautas que acompanhavam a celebração reprovaram a postura do sacerdote.

“Homofobia é crime”, escreveu um internauta. “Esse altar não merece esse padre”, postou outro fiel.

“Jamais o preconceito pode ser opinião. Seja qual for o posicionamento da sua fé, você não deve nunca professar seu preconceito. Homofobia é crime e você vai ser penalizado por isso. Um sacerdote se dando a esse papel é muito decepcionante”, publicou outra pessoa que acompanhava a celebração pela internet.

Fonte: Repórter MT