Servidores da Funai criaram 552 falsas aposentadorias de indígenas para roubar R$ 64 milhões

Crédito: Polícia Federal

A Polícia Federal deflagrou nesta quinta-feira (28) a Operação Sangradouro, para desmontar uma associação criminosa que operava um grande esquema de fraudes previdenciárias em aposentadorias ilegais de indígenas. As investigações mostraram que servidores públicos da Funai criaram 552 falsas aposentadorias de indígenas. O grupo conseguiu roubar cerca de R$ 64 milhões dos cofres públicos.

A organização era integrada por servidores públicos da Funai, cartorários, proprietários de correspondentes bancários e lideranças indígenas locais.

Até o momento, a Polícia Federal identificou 552 falsos aposentados em todo o Estado, com a perspectiva de novos identificados a partir da deflagração da operação. Os investigados poderão responder pelos crimes de falsificação de documentos, estelionato previdenciário, formação de quadrilha e inserção de dados falsos em sistema de informação do Governo Federal.

A fraude previdenciária iniciava-se com a expedição de documentos com dados falsificados, realizada por servidores da Funai, especialmente a idade dos indígenas.

Eram emitidos o “Registro Administrativo de Nascimento de Indígenas” (Rani) e a “Certidão de Exercício de Atividade Rural”, ambos com adulteração de dados, em especial a idade dos indígenas, para simular o atendimento da idade mínima para aposentadoria por idade rural: 60 anos para homem e 55 anos para mulher.

A partir dessa falsidade inicial, os indígenas favorecidos pelo esquema usavam o Rani para a realização de registro de nascimento tardio em cartório, com a emissão de certidões de nascimento que, em seguida, serviam de lastro para a solicitação de diversos outros documentos públicos, tais como CPF e RG. Na sequência, compareciam a uma agência do INSS para requerer aposentadoria por idade, fazendo uso de todos os documentos falsos providenciados pelo esquema criminoso.

As investigações evidenciaram que os documentos ideologicamente falsificados eram comumente emitidos em intervalos de tempos muito curtos, poucos meses antes da apresentação do requerimento à Previdência Social. Na sequência, os fraudadores ainda buscavam correspondentes bancários para obtenção de empréstimos consignados atrelados a essas aposentadorias, sempre no limite máximo da margem consignável, potencializando o prejuízo da fraude perpetrada.

Foram expedidas 19 ordens cautelares judiciais pela Justiça Federal em Barra do Garças (509 km de Cuiabá), sendo 16 mandados de busca e apreensão, duas ordens judiciais de afastamento temporário das funções públicas e um mandado de prisão preventiva, cumpridos em Cuiabá, Barra do Garças, Primavera do Leste e Poxoréu.

Fonte: Repórter MT

Vídeo(s) da notícia

Galeria de Imagens da notícia

Mais notícias

Bombeiros fazem buscas subaquáticas por motocicleta da filha de Cattani

Sema e Policia Militar apreendem carretas com castanheiras durante fiscalização

Tapurah: Condenado a 14 anos pelo estupro da filha é preso pela Polícia Civil

PM prende seis pessoas em flagrante por invasão e extração ilegal de madeira

Jovem é morto atropelado por caminhão betoneira após discussão com motorista

Ipiranga: PRF apreende carga de madeira ilegal