Polícia encontra fábrica clandestina de medicamentos em clínica veterinária ilegal em Cuiabá

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email

Uma operação policial nessa quinta-feira (24) fechou uma fábrica clandestina de produtos terapêuticos e medicinais, que funcionava dentro de uma clínica veterinária, no Bairro CPA 2, em Cuiabá. O veterinário responsável estava com a licença suspensa e o local não tinha autorização para funcionar.

De acordo com a Delegacia Especializada do Consumidor (Decon), a operação foi feita após denúncia de que no estabelecimento Clínica Veterinária do Povo funcionava uma indústria de manipulação de medicamentos de uso veterinário, sem o atendimento de normas e autorizações necessárias.

Segundo a Decon, o médico veterinário responsável pelo estabelecimento está com a inscrição suspensa no Conselho Regional de Medicina Veterinária (CRMV) e não estava no local no momento da operação.

Ele responderá pelos crimes de exercício ilegal de profissão, crime contra as relações de consumo; por armazenar, guardar e comercializar produtos ou substância tóxica perigosa ou nociva a saúde humana e ao meio ambiente e por fazer publicidade capaz de fazer consumidor se comportar de forma prejudicial.

No local a polícia encontrou uma mulher, que atuava como química e responsável pela manipulação do medicamento. Ela foi autuada em flagrante por crime ambiental.

Conforme a polícia, a clínica é de grande porte, é muito bem estruturada e além de oferecer atendimento clínico a animais de pequeno, porte atuava na parte de pet shop, com venda de medicamentos veterinários.

Durante a fiscalização do estabelecimento foi possível confirmar as denúncias, sendo encontrada grande quantidade de matéria prima sem etiquetas de quando foram adquiridas e sem possibilidade de rastreamento a que lote, além de diversos medicamentos e produtos de uso veterinário com rótulo da clínica.

Os medicamentos de fabricação própria eram produzidos em larga escala e apesar de rotulados, não possuíam informações básicas como data de fabricação e validade, número de lote e de inscrição de farmacêutico responsável.

Em meio aos produtos, ainda foram encontradas medicações de uso humano, que não são autorizadas a comercialização no Brasil, e medicação de uso restrito hospitalar.

Os elementos químicos eram utilizados nas medicações produzidas no estabelecimento, porém, não eram mencionadas nos rótulos. Todos os produtos encontrados no laboratório clandestino foram apreendidos e parte de farmácia de manipulação foi interditada, assim como outras partes da clínica.

O proprietário do estabelecimento, por estar com a inscrição no CRMV suspensa, está impedido de fazer atendimento clínico. No entanto, os fiscais encontraram os horários de atendimentos do veterinário. A clínica também não possui autorização do CRMV para atuar, uma vez que o estabelecimento não atendeu as normas exigidas para funcionamento.

A vigilância sanitária já havia apreendido medicamentos irregulares no estabelecimento anteriormente, sendo a prática ilegal de manipulação de medicação realizada reiteradamente. Segundo a delegacia, a produção clandestina é perigosa e deixa o consumidor vulnerável para aquisição de medicações de risco.

A operação contou com fiscais da Vigilância Sanitária (Visa), Instituto de Defesa Agropecuária de Mato Grosso (Indea-MT), Conselho Regional de Farmácia (CRF), Conselho Regional de Medicina Veterinária (CRMV) e Ministério da Agricultura e Meio Ambiente (Mapa).

Fonte: G1