Após ocorrências registradas em Sorriso e Ipiranga, PJC mira em organização que rouba cargas

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email
Legenda /Crédito da Foto: Polícia Civil - MT

A Polícia Civil de Mato Grosso cumpre nesta terça-feira (06.07), 31 mandados de prisão e de busca e apreensão dentro da Operação Safra, que investiga o esquema de uma organização criminosa baseada no estado de São Paulo que atuava no furto e roubo de cargas de grãos praticados em território mato-grossense e em outras unidades da federação. Os mandados judiciais são cumpridos por equipes da Polícia Civil de Mato Grosso em diversas cidades do interior de São Paulo e Paraná, onde também serão efetuadas as apreensões de 12 carretas.

As ordens judiciais estão em cumprimento nas cidades paulistas de Assis, Avaré, Conchas, São Miguel Arcanjo, Paraguaçu Paulista, Maracaí e Tarumã; e em Campo Mourão, no Paraná.

As investigações iniciaram na Delegacia de Paranatinga, que apurou o furto de cargas de soja ocorrido em março deste ano. A partir de outras ocorrências registradas nas cidades de Sorriso e de Ipiranga do Norte, a Gerência de Combate ao Crime Organizado (GCCO) da Polícia Civil de Mato Grosso identificou um esquema criminoso envolvendo uma empresa de transportes, sediada no município de Assis (SP), que vem sendo utilizada para a prática dos crimes.

Durante muitos anos, o proprietário e demais integrantes vinham “desviando” cargas de grãos em Mato Grosso, conforme constam em mais de 40 boletins de ocorrência registrados pelas empresas proprietárias das cargas.

Conforme a apuração realizada pela Polícia Civil, o proprietário da empresa e o grupo criminoso atuam como verdadeiros ‘piratas’, entrando em Mato Grosso e furtando as cargas de grãos. A investigação apontou que a quadrilha utilizava-se das mais variadas fraudes, aproveitando-se de falhas no sistema de controle das fazendas e das transportadoras contratantes. Depois de praticarem os furtos, voltavam à cidade de Assis levando o “espólio” arrebatado (valores em dinheiro).

Segundo o delegado de Paranatinga, Hugo Abdon, a operação tem como objetivo colher elementos de informações contra os alvos investigados, assim como interromper as condutas criminosas por parte da organização criminosa, atingir o patrimônio da quadrilha, ressarcir as vítimas dos prejuízos sofridos e, por fim, levar à punição dos associados.

O delegado da GCCO, Vitor Hugo Bruzulato Teixeira, destaca que a investigação apura os crimes de organização criminosa, furto qualificado pela fraude e por concurso de pessoas, além de haver indícios da prática de lavagem de dinheiro e sonegação fiscal.

Roubo de cargas 

Com a continuidade das investigações, a Polícia Civil apurou também que a organização criminosa passou a agir no roubo das cargas, mantendo as vítimas reféns durante a ação, além de utilizarem armas de fogo. “Ou seja, a quadrilha está também praticando os mais variados crimes, inclusive, usando de violência, com emprego de arma de fogo e zombando do sistema de justiça e do principal sistema produtivo brasileiro, que é o agronegócio”, apontou o delegado Vitor Hugo.

Somente em Paranatinga, os membros da quadrilha furtaram duas cargas de soja de caminhões bitrens causando um prejuízo no montante de R$ 300 mil. Em Ipiranga do Norte, os criminosos desviaram quatro cargas completas de soja avaliadas em aproximadamente R$ 600 mil.

Com base no material probatório reunido durante a apuração, a Polícia Civil representou à Justiça de Mato Grosso pelos mandados de prisão e de busca e apreensão contra os alvos da investigação. Também serão apreendidos 12 veículos modelo carretas.

Participam da operação 32 policiais civis das unidades da Delegacia de Paranatinga; Delegacia Regional de Primavera do Leste; GCCO; Gerência de Operações Especiais e Polinter.

Fonte: Polícia Civil - MT