Pesquisa mostra que 64% das rodovias de MT são ruins ou péssimas

Crédito: Divulgação

Pesquisa mostra que 64,1% das rodovias de Mato Grosso são ruins ou péssimas. O levantamento feito pela Confederação Nacional dos Transportes (CNT) leva em conta as rodovias estaduais e federais pavimentas do estado.

Os caminhoneiros que trafegam pelas rodovias de Mato Grosso contam que estão insatisfeitos com as condições do asfalto. A pesquisa ainda mostra uma estimativa de gastos e prejuízos aos transportadores.

Entre os caminhoneiros que circulam pelo estado, não faltam motivos para reclamar das condições das estradas. Além dos custos com a manutenção dos veículos, eles também apontam os riscos de acidentes graves.

O caminhoneiro Raphael Bombach desabafa. “É muito buraco. Muito pedágio caro e que não tem retorno pra gente. Você passa ali e caminhão quase desmancha. Pista apertada, sem acostamento”, disse.

A pesquisa da confederação avaliou cinco rodovias federais em MT e mais de 5.400 km de rodovias estaduais.

Condições das estradas em rodovias pavimentadas, segundo a CNT:

64,1% regulares, ruins ou péssimas;

35,9% ótimas ou boas;

A avaliação levou em conta o estado do pavimento; a sinalização com placas e faixas na pista; condição e presença de acostamentos; pontes e viadutos.

O caminhoneiro Sebastião de Almeida, que vive desse trabalho, também corrobora com o resultado da pesquisa. “Está muito ruim. Tem trânsito demais. Muitos buracos e acidentes”, comentou.

Essas situações aumentam os custos com escoamento da produção agrícola, o que prejudica a competitividade do estado e do país no mercado internacional de grãos.

A pesquisa também fez uma estimativa do desperdício de combustível causado pela má qualidade do pavimento das estradas em Mato Grosso.

Até o final deste ano, haverá um consumo desnecessário de mais de 47 milhões de litros de óleo diesel ao custo de R$ 208,700 milhões pagos pelos transportadores.

De acordo com a confederação, são necessárias diversas obras de emergência, manutenção e reconstrução para melhorar as rodovias no estado. Pelos cálculos da confederação, o investimento necessário é de R$ 2,300 bilhões.

Para o presidente do Sindicato dos Transportadores Autônomos do estado, Roberto Pessoa, a situação representa um descaso das autoridades.

“De Primavera do Leste até Canarana também está feia esta estrada. É o que a gente conhece. A de Barra do Bugres até Tangará da Serra também está intrafegável. Lá por Diamantino nem se fala. A Serra da Deciolândia é só buraco. O que a gente conta é o descaso das autoridades competentes em relação a manutenção das rodovias. Os caras só prometem e não fazem”, afirmou.

A Secretaria Estadual de Infraestrutura (Sinfra) disse que o trecho de Barra do Bugres até Tangará da Serra está sendo administrado por uma empresa que ganhou a concessão em maio deste ano.

Já a MT-130, entre Primavera do Leste e Paranatinga, também está sob concessão. A fiscalização dos contratos é feita Agência Estadual de Regulação dos Serviços Públicos (Ager).

A Sinfra informou que trabalha na pavimentação de mais de 1.600 km de rodovias estaduais e na recuperação de outros 615 quilômetros.

Sobre as condições das rodovias federais, o Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes (Dnit) disse que trabalha para garantir o melhor serviço com o orçamento disponível, e que, nos últimos anos, teve um avanço significativo na cobertura contratual na malha federal no estado.

Fonte: G1/MT

Mais notícias

prensado

Homem é prensado por caminhão e morre em fazenda

afogg

Itanhangá: Homem morre afogado ao tomar banho em represa

soterr

Bombeiros encontram a 13 metros de profundidade corpos de trabalhadores soterrados

WhatsApp-Image-2022-08-16-at-15.19.28

Homem é encontrado morto com tiro na nuca na zona rural

auto

Caminhoneiros já podem fazer auto declaração para receber benefício

lucas_do_rio_verde_com_faca_na_mao_mulher_poe_marido_pra_correr_apos_desentendimento_e

Mulher é internada depois de levar facada na cabeça do ex-marido

%d blogueiros gostam disto: