Mulher mantida em cárcere é resgatada após bilhete

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email
Legenda /Crédito da Foto: Reprodução

Uma mulher de 30 anos que estava sendo mantida em cárcere privado pelo companheiro foi resgatada pela Polícia Militar do Distrito Federal depois de conseguir ligar para o 190 e passar um bilhete para os agentes por baixo da porta.

O caso ocorreu na Asa Norte, no centro da capital federal. Os militares chegaram ao apartamento às 22h30 e tocaram a campainha. Ninguém atendeu, mas, minutos depois, a vítima enviou a mensagem por baixo da porta. A mensagem dizia que ela estava trancada, que havia armas no apartamento e que ela já tinha sido agredida naquele dia.

O bilhete afirmava também que o homem que a aprisionava tinha problemas psiquiátricos. Diante da situação, a PM acionou uma equipe de negociação e desencadeou a chamada Operação Gerente. Depois de várias tentativas de contato, o homem, de 62 anos, abriu a porta, mas insistiu que estava tudo bem e não queria que os policiais falassem com a mulher, alegando que ela estava deitada.

A PM então forçou a entrada no apartamento e prendeu o suspeito. A vítima, que estava escondida embaixo de cobertores no sofá da sala, apareceu e indicou onde o agressor mantinha armas que usava para ameaçá-la. Segundo o subtenente da Polícia Militar Marcos Henrique Melo, que participou do resgate, a vítima morava com o agressor há um ano e contou que ficava presa o dia inteiro, sem poder falar com ninguém. “Ela tentava sair do apartamento e ele não deixava, tentava conversar com as amigas e parentes e ele não deixava”.

“Ela pedia o telefone dele também e ele não deixava. Aí ela pedia para sair e ele já entrava com as ameaças: que ia ‘dar jeito nela’, que ia sumir com ela, que não ia autorizar ela a sair de casa”, conta o policial. As armas apreendidas no local indicado pela vítima eram réplicas de armas de fogo e airsoft. Os dois foram levados à delegacia para prestar depoimento e a mulher registrou ocorrência por cárcere privado e Lei Maria da Penha. A Polícia Civil não informou se o homem permaneceu preso.

 

Fonte: UOL