Mulher, filhos e nora irão a júri popular acusados de matar empresário

Crédito: Reprodução

O juiz Victor Lima Pinto Coelho decidiu mandar a júri popular quatro suspeitos de envolvimento no assassinato do microempresário Adelfo Borghezan Peron, ocorrido em 2008, em Vera. Irão a julgamento a viúva da vítima, dois filhos do casal e a mulher de um deles (nora de Adelfo).

A denúncia do Ministério Público do Estado (MPE) aponta que a mulher e o microempresário viviam um relacionamento “não harmonioso” e que eram recorrentes os episódios em que a acusada afirmava que o “marido fedia” e que iria “dar um fim nele”. Ainda conforme a denúncia, ela teria se aproveitado que Adelfo estava dormindo e desferiu três golpes de faca nele.

Em seguida, de acordo com o MPE, os filhos ajudaram a colocar a vítima, ainda com vida, na caminhonete da família e a levaram até um galpão utilizado para guardar ferramentas. No local, “buscando colorir um cenário de suicídio”, os dois teriam, com a “instigação e auxílio” da mãe, pendurado a vítima pelo pescoço, causando sua morte por asfixia mecânica.

A denúncia aponta que a nora da vítima teria participado do crime ao ficar responsável pela limpeza do local para impedir a “identificação de eventuais dos vestígios da ocorrência do crime, reforçando os coloridos do suicídio”. Conforme a Promotoria, a denunciada já estava na residência quando a execução foi iniciada com os golpes de faca.

Em alegações finais no processo, os quatro suspeitos pediram pela absolvição ou impronúncia (para que não fossem a júri). Para o juiz, no entanto, “as provas mostraram-se uníssonas no sentido de que, aparentemente, os acusados teriam sido os autores do homicídio pormenorizado na denúncia”.

Pela decisão, a viúva, os filhos e a nora serão julgados por homicídio triplamente qualificado. Eles ainda podem recorrer.

A polícia informou, na época, que Adelfo Borghezan foi encontrado morto em uma chácara a cerca de oito quilômetros de Vera. Na época, os peritos apontaram que havia muitos sinais que deixavam claro o homicídio, além da cama com manchas de sangue. Além disso, havia três perfurações de faca no tórax.

A faca utilizada no crime também foi encontrada com manchas de sangue.

Fonte: Só Notícias

Vídeo(s) da notícia

Galeria de Imagens da notícia

Mais notícias

Itanhangá: Policiais Militares jogam futebol com crianças em Simione. Vídeo

Detran orienta motoristas sobre o que fazer caso a placa do veículo seja danificada ou perdida

Governo de MT cria fundo para destinar valores confiscados do crime organizado à Polícia Civil

Trabalhador morre soterrado em silo em fazenda na MT-235

Três bebês morrem em UTI neonatal de Colíder

Trabalhador morre ao receber descarga elétrica em fazenda