Moradora de MT tem “caso lesbo virtual” e leva golpe de R$ 100 mil

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email
Legenda /Crédito da Foto: Polícia Civil - MT

Uma mulher de 30 anos foi presa nesta quarta-feira (7) em Mossoró, no interior do Rio Grande do Norte, por estelionato amoroso praticado pela internet contra uma vítima de Mato Grosso. A prisão foi representada à Justiça pela Delegacia Especializada de Defesa da Mulher de Cáceres após a investigação para apurar o estelionato cometido ao longo de um ano, que causou um prejuízo de R$ 100 mil à vítima.

A prisão foi efetuada por uma equipe da DEDM de Cáceres com apoio da Delegacia de Atendimento à Mulher de Mossoró. De acordo com a delegada Judá Maali Marcondes, a vítima, de 32 anos, conheceu a suspeita pela internet e se envolveram afetivamente.

As duas não se conheciam pessoalmente, mas a suspeita, após conquistar a vítima, passou a inventar diversos problemas de saúde e pedia dinheiro constantemente “Quando a vítima começou a recusar a ajuda, a suspeita a ameaçou de morte e também a seus familiares”, explicou a delegada Judá Maali, acrescentando que além de aplicar o golpe, a suspeita também criou uma série de situações envolvendo seus familiares, inclusive, a ponto de simular a própria morte para tirar dinheiro da vítima.

A investigação apurou que os golpes foram praticados a partir de fevereiro do ano passado e nesse período, a suspeita praticou violência psicológica e com o crime, conhecido como ‘golpe do amor’ causou um prejuízo à vítima de aproximadamente R$ 100 mil, comprovados por meio de depósitos bancários.

Diante dos fatos apurados, a delegada de Cáceres representou pela prisão preventiva da suspeita e solicitou apoio da Delegacia da Mulher de Mossoró. Uma equipe de investigação da DEDM de Cáceres, composta pelas investigadoras Martinha Mariana e Renata da Silva, seguiu até Mossoró e com apoio da Delegacia da Mulher local efetuaram a prisão preventiva da investigada.

Após a prisão, a investigada foi interrogada na DEAM de Mossoró pela delegada Cristiane Magalhães e encaminhada, posteriormente, ao sistema prisional, onde se encontra à disposição da Justiça.

Fonte: Folha Max