Levantamento da CNA indica que preço dos insumos agropecuários subiu 100% em 2021

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email

A escalada dos preços dos insumos foi a principal responsável pelo aumento dos custos de produção da agropecuária em 2021.09.Out.

O fertilizante, por exemplo, subiu mais de 100% de janeiro a setembro deste ano, em razão da alta demanda, escassez da oferta mundial, elevação dos preços internacionais e problemas logísticos.

FORTE ELEVAÇÃO – No acumulado do ano, os preços da ureia, do MAP (fosfato monoamônico) e do KCL (cloreto de potássio) subiram 70,1%, 74,8% e 152,6%, respectivamente. Esse cenário de tendência de valorização dos preços de fertilizantes deve permanecer em 2022, impactando na margem de lucro dos produtores rurais.

DEFENSIVOS – De acordo com os resultados do Campo Futuro, dentre os defensivos agrícolas, o glifosato foi o que sofreu a maior alta (126,8%), influenciada principalmente pela interrupção da operação de indústrias fabricantes do insumo na China e problemas com o fornecimento de matéria-prima.

Segundo relato dos produtores, houve falta do produto em algumas regiões, trazendo preocupações que vão além da elevação do custo.

As informações são do projeto Campo Futuro, iniciativa do Sistema CNA/Senar que faz o levantamento de dados econômico-financeiros e técnicos, assim como o acompanhamento dos preços dos insumos utilizados em mais de 40 atividades agropecuárias.

O projeto é realizado em parceria com o Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada (Cepea-Esalq/USP), a Labor Rural (Universidade Federal de Viçosa – UFV), o Pecege (Esalq/USP) e o Centro de Inteligência de Mercados da Universidade Federal de Lavras (CIM/UFLA).

METODOLOGIA – Em 2021 foram realizados 127 painéis virtuais de levantamento de custos de 24 atividades produtivas, com a participação de 1.604 produtores rurais de 20 estados e 110 municípios com significativa participação na produção agropecuária brasileira.

O Custo Operacional Efetivo (COE) é uma das principais variáveis analisadas no projeto Campo Futuro, pois inclui todos os itens considerados variáveis ou gastos diretos, como insumos (fertilizantes, sementes e defensivos agrícolas), operações mecânicas, comercialização agrícola, entre outros.

Fonte: Canal Rural

Mais notícias

aftosa

Indea prorroga vacinação contra febre aftosa até 10 de dezembro

leitche

Itanhangá: Cadeia produtiva de gado leite e corte é tema de Dia de Campo

maqui

Setor de máquinas agrícolas tem 40% de crescimento em 2021

rurrais

Produtores rurais de MT terão desconto em renovação de cadastro na Energisa

aft

Comunicação da vacinação contra febre aftosa passa a ser online

indea

Itanhangá: Produtores devem informar o INDEA sobre o plantio de soja

%d blogueiros gostam disto: