Garoto de 6 anos entrega ‘currículo’ para bombeiros:‘Caso vocês precisem’

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email
Legenda /Crédito da Foto: Reprodução/@1ciaindbm_pocosdecaldas/Instagram

A atitude do pequeno Enzo, de seis anos de idade, chamou a atenção dos bombeiros do batalhão que fica no bairro Country Club, na cidade de Poços de Caldas, no Sul de Minas. Na última quinta-feira (19), o garoto foi até o batalhão não só para conhecer o trabalho da corporação, mas deixou também um “currículo” informando a vontade de fazer parte da equipe.

Em um envelope pequeno, o garoto escreveu que seu sonho é trabalhar no Corpo de Bombeiros. “Por isso estou deixando meu curriculum, caso vocês precisem. Eu gosto muito de mexer com água e quero apagar o fogo”, disse Enzo no documento.

A sargento Paola conta que todos os militares ficaram surpresos com a atitude do menino. “A gente fica muito emocionado, é muito gratificante quando vem uma criança e fala que quer ser bombeiro, isso acaba que dá uma energia para gente trabalhar todos os dias”, disse.

Paola explica também que os bombeiros sempre recebem visita de crianças, mas foi a primeira vez que uma delas chegou com o intuito de trabalhar no lugar. “Ele chegou aqui com os pais e o irmão e trouxe pra gente o envelope com o currículo dentro”, relembra.

“No momento a gente ficou surpreso, foi muito inusitado e criativo. No currículo tinha até a foto dele. A gente ficou bastante lisonjeado”, continua. A sargento diz também que no batalhão existe um pequeno uniforme, uma farda infantil, separa especialmente para as crianças que visitam o quartel: “Fica disponível para os pequenos [usarem] quando vêm aqui.”

Enquanto Enzo não pode ocupar um cargo por conta da pouca idade, os bombeiros proporcionaram ao garoto um dia de “herói” no quartel, com direito a treinamento com mangueira de combate à incêndios e uma pequena tour pelo conhecido caminhão vermelho.

“A gente tinha uma viatura disponível, um caminhão, e a gente perguntou se ele queria conhecer. Colocamos a farda nele e o capacete, levamos ele no caminhão, ele fez um ‘treinamento’ com a mangueira, ele se divertiu muito. A gente ficou feliz e acreditamos que ele também tenha ficado”, finaliza a sargento.

Fonte: BHAZ