Esposa e amante são identificados pela Polícia Civil como autores de homicídio de servidor público

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email
Legenda /Crédito da Foto: Polícia Civil - MT

O homem teve o mandado de prisão cumprido na manhã desta quinta-feira (17) em ação dos policiais da Delegacia de Tangará da Serra. A esposa da vítima é procurada pela polícia. Segundo as investigações da Delegacia de Tangará da Serra, o crime teve motivação financeira.

O crime que vitimou Edson Vicente da Costa, conhecido como “Edinho”, ocorreu no dia 06 de novembro de 2020, tendo grande repercussão na cidade. Na ocasião, o servidor retornava de um evento político, em sua motocicleta Honda Bros, quando foi abordado na garagem de casa por um homem armado, que efetuou vários disparos de arma de fogo, atingindo a vítima nos braços, tórax e cabeça. As investigações demonstraram que não foi um roubo e sim uma execução.

O autor dos disparos fugiu com a motocicleta da vítima. Logo após o fato, a esposa do servidor foi chamada ao local por vizinhos e encontrou a vítima caída na garagem, que chegou a ser socorrida, porém, não resistiu aos ferimentos.

As equipes da Polícia Civil iniciaram as diligências para identificar os autores do crime. Durante as investigações foram ouvidas diversas testemunhas que apontaram que a vítima não tinha inimigos, contudo, mantinha um relacionamento conturbado com a esposa.

Os investigadores apuraram que o casal tinha problemas matrimoniais, mas não tinham a intenção de se separar para evitar a partilha de bens. A vítima teria contraído dívidas para comprar o carro e a casa e a esposa estava mantendo um caso extraconjugal e queria que o marido deixasse a residência.

Segundo o delegado responsável pelas investigações, Adil Pinheiro de Paula, outra questão que chamou a atenção da Polícia durante as investigações foi a pressa da esposa em acessar os bens do servidor após a sua morte. Os únicos dois interessados na morte da vítima foram justamente os suspeitos que tiveram a prisão preventiva decretada.

O delegado decretou o sigilo do inquérito a pessoas estranhas aos autos devido a grande comoção que o caso trouxe à cidade.

O homem foi preso no sítio dos pais, na zona rural do município de Santo Afonso, divisa com o município de Tangará da Serra. Ele não apresentou resistência e foi encaminhando à Delegacia da Polícia Civil em Tangará. O investigado será interrogado pelo delegado Adil Pinheiro nos próximos dias, na presença de seu advogado legalmente constituído.

O advogado da esposa da vítima compareceu na delegacia nesta quinta-feira e comprometeu-se a apresentar sua cliente nas próximas horas.

O delegado Adil Pinheiro ressaltou o trabalho do Judiciário de Tangará da Serra. “Independentemente do mérito desta ou de qualquer outra ação, o Judiciário Criminal na comarca, comandado por duas juízas, tem se mostrado ao longo dos anos, sensível a casos graves, decidindo de forma célere, em consonância com os anseios dos jurisdicionados. Sempre de forma imparcial, embasado na lei, nas provas dos autos e na sua convicção. A sociedade de Tangara da Serra tem muito a ganhar com um judiciário que exerce com maestria seu mister constitucional”, finalizou Adil.

Fonte: Polícia Civil - MT