Em Itanhangá será realizado campanha para acompanhamento de hipertensos e diabéticos.

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email

Será realizado pela secretária de saúde de Itanhangá o  1º Hiperdia caipira, onde terão orientações quanto à importância do acompanhamento dos hipertensos e diabéticos e verificação de PA, HGT, Peso e circunferência Abdominal. As palestras e orientações acontecerá no dia 28/07 das 7 da manhã até as 10 horas, no C.I.S do bairro Nova conquista.

HIPERTESÃO

Em 90% a 95% dos casos, a causa é indeterminada. De fato, você pode ter pressão arterial elevada por anos sem saber. Por isso é chamada de “assassina silenciosa”. Quando a causa é indeterminada, é chamada de hipertensão primária ou essencial. Fatores que podem levar a hipertensão arterial nos 5 – 10% dos casos restantes, conhecidos como hipertensão secundaria incluem:
Doença Renal
Coarctação de Aorta, ou seja, um estreitamento da aorta desde o nascimento.
Estreitamento de artérias renais
Produção excessiva de alguns hormônios
Estes problemas usualmente podem ser corrigidos. Por exemplo, obstruções arteriais podem ser corrigidas. A maior parte destes problemas pode ser descartada por uma história detalhada, exame físico e alguns exames. Exames especiais podem ser necessários algumas vezes.

A maior parte das pessoas com hipertensão não apresenta sintomas. Os sintomas atribuídos à hipertensão são dor de cabeça, sangramento do nariz, tontura, rosto avermelhado e cansaço, porém podem ser apenas coincidência e não ter relação com pressão elevada ou normalização da pressão arterial. Esses sintomas, entretanto, são comuns em pessoas com pressão normal. Se uma pessoa com hipertensão arterial grave permanecer um longo período sem tratamento, sintomas como dor de cabeça, fadiga, náusea, vômito, falta de ar, visão borrada aparecem provocados por danos no cérebro, olhos, coração e rins.

A pressão elevada aumenta o trabalho do coração e artérias. O coração precisa bombear com maior esforço e pressão, e as artérias suportam o sangue sob grande pressão. Se a pressão elevada se mantém por um longo período de tempo, seu coração e artérias podem não trabalhar como deveriam. Existe um risco elevado de acidente vascular cerebral (derrame), infarto agudo do miocárdio, insuficiência cardíaca congestiva, insuficiência renal e até a necessidade de diálise crônica. Quando a Hipertensão está associada a colesterol elevado, obesidade, tabagismo ou diabetes, o risco de infarto do miocárdio e acidente vascular cerebral aumenta várias vezes.

O tratamento para a hipertensão é feito com a ingestão de medicamentos anti-hipertensivos receitados pelo cardiologista, que devem ser tomadas diariamente. O tratamento ainda inclui algumas medidas importantes, como a prática de atividade física, alimentação saudável, combate ao tabagismo e redução da ingestão de bebida alcoólica.

DIABETE

Uma doença caracterizada pela elevação da glicose no sangue. Pode ocorrer devido a defeitos na secreção ou na ação do hormônio insulina, que é produzido no pâncreas, pelas chamadas células beta. A função principal da insulina é promover a entrada de glicose para as células do organismo de forma que ela possa ser aproveitada para as diversas atividades celulares. A falta da insulina ou um defeito na sua ação resulta, portanto em acúmulo de glicose no sangue, o que chamamos de hiperglicemia.

Os principais sintomas diabetes são:

Vontade de urinar muitas vezes ao dia;

Fome frequente;

Sede constante;

Fraqueza;

Nervosismo;

Feridas que não cicatrizam;

Vista embaçada;

Formigamento nos pés;

Infecções frequentes.

As consequências que essa doença pode trazer são: Nefropatia Diabética (doença nos rins); Doença Hepática (doença no fígado); Diminuição ou perda total da visão; Amputação de membros; Dificuldade de cicatrização de ferimentos e machucados; Doenças cardiovasculares e impotência sexual.

O tratamento para diabetes sempre envolve adequar a alimentação e tomar medicamentos. Na diabetes tipo 1 o remédio utilizado é a insulina, e na diabetes tipo 2 é usado um ou mais hipoglicemiantes. Tanto na diabetes tipo 1, quanto na diabetes tipo 2 é recomendado seguir uma dieta especial e fazer exercícios porque eles melhoram a captação do açúcar do sangue.

Fonte: Redação ITA NOTICIAS