Delegado diz que esquema do novo cangaço está desvendado

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email
Legenda /Crédito da Foto: Divulgação

O delegado titular da Gerência de Combate ao Crime Organizado (GCCO) Vitor Hugo Bruzulato Teixeira, afirmou que as investigações sobre o roubo às duas cooperativas de crédito em Nova Bandeirantes , devem ser concluídas nos próximos dias.

Na próxima quarta-feira (04) completará dois meses do roubo, onde clientes e funcionários chegaram a ser mantidos como escudo humano pelos bandidos que assaltam na modalidade novo cangaço.

“Estamos na reta final da conclusão das investigações. Depois de quase dois meses conseguimos desvendar todo o esquema criminoso, identificando não somente os autores, mas todos aqueles que contribuíram de forma indireta também. Daqui uns 15 dias vamos apresentar à Justiça nossa conclusão”, afirmou.

Após o roubo Forças de Segurança de Mato Grosso com mais de 100 policiais foram enviados para o município com o objetivo de capturar os assaltantes. Inicialmente, a informação foi de que 13 participaram do assalto.

De acordo com o delegado, o número de envolvidos no assalto é muito maior. Além disso, ele explicou que a maioria veio do Nordeste.

“O número é muito maior do que os treze que de fato praticaram a ação criminosa, tem muito mais. Muitos já foram identificados e vamos pedir as prisões daqueles que a gente entende que devem ficar presos. Conseguimos apurar que os organizadores são do Nordeste, região onde eles já praticaram crimes da mesma natureza”, declarou.

Para Teixeira a escolha de Nova Bandeirantes pode estar relacionada ao grande número de mineradoras que existe na região, onde boa parte de sua mão de obra vem do Nordeste do país.

“Estamos fazendo uma ligação preliminar, mas aquela região tem muitas mineradoras e boa parte da mão de obra vem do Nordeste. Então pode ser que algum deles (bandidos) tenham vindo para cá e viu essa janela de oportunidade e achou que ali seria um local fácil para a prática do crime e fuga, mas não foi isso que aconteceu”, disse.

Seis dias após o roubo o Batalhão de Operações Policiais Especiais (Bope) interceptou quatro dos assaltos durante fuga em região de mata. No entanto, todos vieram a óbito durante a troca de tiros.

Os mortos nesse confronto foram identificados como Romario Batista de Oliveira, Maciel Gomes de Oliveira, Waldeir Porto Costa e Luiz Miguel Melek.

Outros quatro confrontos aconteceram na região que resultou em mais cinco mortes. Os assaltantes que vieram a óbito são Diego de Almeida Costa, Adailton Santos da Silva, Samuel Santos Silva, Ronaldo Rodrigues de Souza e Cristiano de Jesus Nunes.

Além disso, cinco foram presos sendo dois deles pela Polícia Civil e três pela Polícia Militar. Os criminosos foram identificados como Ednicio Pereira Cavalcante, Josias Silveira, Franklis Souza de Jesus, Valdecir de Salles Barbosa e Salvador Santos Portela. Uma grande quantia em dinheiro foi recuperada com os bandidos.

Bope encerra buscas

Esta semana o comandante do Bope, tenente-coronel Ronaldo Roque da Silva, afirmou que a caçada pelos bandidos também está entrando em sua reta final. Após a prisão de Salvador, a polícia acreditava que mais dois assaltantes ainda estariam na região, mas essa possibilidade deve ser descartada.

“Estamos aqui nos últimos dias de operação. Se nada de concreto foi obtido e constatado que não existe mais nenhum criminoso na mata, no início da próxima semana retornaremos para Cuiabá”, afirmou.

Fonte: Repórter MT