CPI do MST quer ouvir deputado estadual mato-grossense Gilberto Cattani

Crédito: Divulgação

Assentado da reforma agrária e principal voz na luta contra invasão de terras da Assembleia Legislativa de Mato Grosso, o deputado estadual Gilberto Cattani (PL) deve ser ouvido pela Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) que investiga a atuação do Movimento Sem Terra (MST), que ocorre na Câmara dos Deputados.

O requerimento de convite para que Cattani seja ouvido foi protocolado pelo membro titular da CPI, deputado federal Capitão Alden (PL-BA), durante reunião da comissão realizada no dia 30 de maio.

“O deputado estadual Gilberto Cattani, assentado no Pontal do Marape, localizado na zona rural de Nova Mutum, é amplamente reconhecido como um profundo conhecedor da questão fundiária. Sua experiência como assentado e seu engajamento no tema o tornam uma voz relevante para os trabalhos desta Comissão Parlamentar de Inquérito”, diz o pedido feito pelo parlamentar baiano.

A solicitação, que ainda será votada pelos membros da comissão, também cita que o livro “A Socialização da Reforma Agrária e a Distribuição da Miséria”, publicado por Cattani em 2020, é uma obra que pode enriquecer o trabalho da CPI.

Morador do Assentamento Pontal do Marape há mais de duas décadas, Cattani é um dos maiores críticos de movimentos como o próprio MST e FNL (Frente Nacional de Luta) em Mato Grosso.

Defensor do modelo de reforma agrária aplicado pelo ex-presidente Jair Bolsonaro (PL), em que os assentados receberam títulos de propriedade, Cattani avalia que os governos de Fernando Henrique Cardoso (PSDB), Lula (PT) e de Dilma Rousseff (PT) transformaram os assentamentos do país em favelas rurais.

Fonte: Assessoria Deputado Cattani

Galeria de Imagens da notícia

Mais notícias

Tapurah: Polícia Civil prende em flagrante homem que fez imagens de vítimas nuas

TRE-MT regulamenta primeira eleição no município de Boa Esperança do Norte

Michelle Bolsonaro anuncia Amália Barros na presidência do PL Mulher em MT

Vereadora do PT tem contas bloqueadas para pagamento de indenização de quase R$ 11 mil a Cattani

Itanhangá: Assinaturas para que tenhamos voto impresso estão sendo colhidas

Medeiros chama vetos de Lula ao marco temporal de “insanos” e defende derrubada