Bandidos invadem hotel e matam agrônomo com tiro na cabeça

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email
Legenda /Crédito da Foto: Reprodução

O agrônomo Fernando Henrique Grosso, 37 anos, foi executado com um tiro na cabeça na frente da namorada, nome não divulgado, no início da manhã desse sábado (21), em um hotel do bairro Novo Diamantino, no município de Diamantino .

Câmeras de segurança do estabelecimento registraram toda a ação dos bandidos.

De acordo com as primeiras informações, dois homens invadiram o hotel, renderam as recepcionistas e teriam pedido para ver as comandas dos quartos para saber em qual estaria Fernando.

Em seguida, um deles seguiu para o quarto, arrombou a porta e rendeu as vítimas. O criminoso chegou a pedir uma corrente de ouro que o agrônomo usava. Na sequência, mandou a namorada dele baixar a cabeça na cama e atirou na cabeça de Fernando.

Após cometer o homicídio os dois bandidos fugiram.

A Polícia Militar (PM) foi acionada, isolou o local e comunicou o fato à Delegacia de Polícia Civil e Perícia Oficial e Identificação Técnica (Politec), responsáveis pelos procedimentos no andamento da ocorrência.

A namorada de Fernando ainda relatou que o atirador estava de roupa preta, com um capacete na cabeça e usando óculos. No entanto, não soube informar a motivação de o rapaz ter sido assassinado, já que não teria reagido ao roubo.

Os militares saíram em patrulhamento pela região, mas não conseguiram encontrar ou identificar os assassinos.

Os peritos analisaram as condições em que o corpo foi encontrado e ainda todo o quarto e perímetro do hotel para coletar evidências que determinem as circunstâncias do crime e identificar os assassinos.

Em seguida, o cadáver foi encaminhado ao Instituto Médico Legal (IML), onde passou por exame de necropsia.

Os investigadores do Núcleo de Homicídios da Polícia Civil acompanharam os trabalhos no hotel e ainda pegaram as imagens das câmeras de segurança que vão ajudar nas investigações e na identificação dos bandidos.

Apesar do roubo, a linha de investigação da polícia aponta para um crime de execução e não de latrocínio, roubo seguido de morte, devido à forma de atuação dos bandidos.

Fernando, que era natural do Paraná e um trabalhador reconhecido na região de Diamantino pelo trabalho desempenhado no ramo agrícola, deixa uma filha.

Fonte: Repórter MT