Agrônoma morre atropelada por pulverizador em fazenda

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email
Legenda /Crédito da Foto: Imagem Ilustrativa

A engenheira agrônoma Luciana Santos de Almeida, de 24 anos, morreu atropelada por um pulverizador na fazenda Água Quente, que pertence ao Grupo Amaggi, em Sapezal, nesta quarta-feira (23).

De acordo com informações apuradas pela reportagem, o pulverizador teria atingido a motocicleta que Luciana estaria na garupa. A vítima, que atuava como assistente de pesquisa agrícola, teria caído no chão e teve a cabeça esmagada pela máquina.

Luciana não resistiu aos ferimentos e morreu na hora. A Perícia Oficial e de Identificação Técnica (Politec) esteve no local para apurar o acidente de trabalho. A Polícia Civil investiga o caso.

Em nota, a Amaggi lamentou o óbito da funcionária e afirmou que deu início a todas as medidas de amparo aos familiares da colaboradora e está à disposição para prestar todo apoio que necessitarem neste momento de perda.

O corpo de Luciana foi encaminhado para o Instituto Médico Legal em Campo Novo do Parecis e posteriormente será liberado para translado até a cidade de Cáceres, onde reside a família e onde devem ser realizados o velório e o sepultamento.

Nas redes sociais, amigos e familiares lamentaram a morte da jovem.

Veja a nota na íntegra:

A AMAGGI confirma que a assistente de pesquisa agrícola Luciana Santos de Almeida, de 24 anos, veio a óbito após sofrer um acidente ocorrido nesta quarta-feira (23) na fazenda Água Quente, em Sapezal (MT). Tão logo teve conhecimento do caso, a AMAGGI deu início a todas as medidas de amparo aos familiares da colaboradora e está à disposição dos mesmos para prestar todo apoio que necessitarem neste momento de perda.

O caso já está sendo apurado pelas autoridades, que estiveram no local para realização de perícia técnica. O corpo de Luciana foi encaminhado para o Instituto Médico Legal em Campo Novo do Parecis (MT) e posteriormente será liberado para translado até a cidade de Cáceres (MT), onde reside a família e onde devem ser realizados o velório e o sepultamento. Luciana era colaboradora da AMAGGI desde março e estava residindo no alojamento da fazenda Água Quente.

A direção da AMAGGI, a gerência da Fazenda Água Quente e os colaboradores expressam seu pesar e solidariedade aos familiares de Luciana.

Fonte: Olhar Direto