40 mil produtores mato-grossenses recebem assistência técnica

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email

O sol ainda nem se apresentou para mais um dia de trabalho e os produtores Carlos Nunes e a esposa, Clarice Arruda Nunes já estão na “labuta”. Eles são pioneiros no projeto Pró-Limão desenvolvido nos municípios de Peixoto de Azevedo e Matupá e contam com a assistência técnica da Empresa Mato-Grossense de Pesquisa, Assistência e Extensão Rural (Empaer), umas das instituições que oferece assistência técnica para os produtores rurais em Mato Grosso.

Este projeto começou em 2016, quando foram distribuídas 12 mil mudas de limão taiti para 25 produtores rurais da região. A expectativa é de produzir mais de 360 toneladas do fruto a partir de 2018. Cada um plantou 480 mudas em uma área de um hectare.

Assim como o Pró-limão, há centenas de outros espalhados por todo país. De acordo com o com dados do Ministério do Desenvolvimento Agrário (MDA), cerca de 900 mil famílias são atendidas com assistência técnica em todo o Brasil. Apesar disso, ainda há muita reclamação sobre a falta de orientação técnica para o setor agropecuário.

Em Mato Grosso, a Empresa Mato-grossense de Pesquisa, Assistência e Extensão Rural (Empaer), é considerada um dos mais importantes instrumentos que o governo dispõe para viabilizar e incentivar a agricultura familiar com serviços de assistência técnica, pesquisa e extensão rural.  Com atuação em 120 municípios e dois distritos do Estado, a instituição atende aproximadamente 40 mil produtores rurais por ano.

Responsável pela execução das políticas públicas voltadas ao desenvolvimento do meio rural, a Empaer possui nove escritórios regionais, seis campos experimentais, quatro viveiros de produção, três Centros Regionais de Pesquisa e um escritório central. Conta com a força de trabalho de mais de 650 servidores.

De acordo com dados fornecidos pela Empaer, Mato Grosso possui 104 mil agricultores familiares que estão presentes em 76% dos estabelecimentos rurais gerando emprego e renda. Eles são responsáveis por mais de 70% dos alimentos consumidos em Mato Grosso. Bovinocultura de leite, fruticultura, olericultura, piscicultura, apicultura e sistemas agroflorestais estão na lista de prioridades.

Os trabalhos de pesquisa, transferência e validação de tecnologia são fundamentais para a diversificação, melhoria da qualidade e produtividade da agropecuária. A pesquisa desenvolvida pela Empaer é voltada para a agricultura familiar, gerando novos conhecimentos e disponibilizando tecnologias adaptadas às condições do pequeno produtor.

A pesquisa trouxe inovações com o melhoramento vegetal de arroz, feijão, gramíneas forrageiras, gergelim, amendoim, mandioca, banana, abacaxi, trigo, maracujá flores tropicias  e outros. Além disso, tem-se buscado cultivares eficientes no uso de fertilizantes, utilização de bactérias para fixação de nitrogênio, resistência à pragas e doenças, reduzindo o custo de produção e contaminação ambiental.

Assim como a Empaer, várias outras entidades também oferecem assistência técnica em uma proporção um pouco menor. O Serviço Nacional de Aprendizagem Rural de Mato Grosso (SENAR-MT) passou, a partir de 2015, a oferecer Assistência Técnica e Gerencial (ATG). A primeira cadeia produtiva a ser beneficiada foi a da bovinocultura de leite, na região de Pontes e Lacerda, onde cerca de 120 produtores participam do projeto.

Já no primeiro ano, os resultados surpreenderam os irmãos Nilton e Milton de Oliveira. Eles contaram que nos primeiros 10 meses conseguiram reduzir a mortalidade de animais em aleitamento de 14% para 2%. “Com a assistência técnica conseguimos ver a viabilidade de nosso negócio de leite”. Além disso o acompanhamento técnico possibilitou maior entendimento dos pormenores da atividade leiteira viabilizando maior controle financeiro da atividade.

Aumento de 75% na prenhez, de 100% na lactação e de 16% na produção. Além disso, também foi registrado aumento de produtividade e melhoria no planejamento e gestão da propriedade. Tudo isso faz parte da lista de benefícios conquistados no primeiro ano do Projeto SENAR Tec Leite desenvolvido pelo SENAR-MT e parceiros,  na região de Pontes e Lacerda.

A expectativa dos produtores é grande. No próximo mês de agosto o projeto completa dois anos e é hora de fazer novas avaliações. O superintendente do SENAR-MT, Otávio Celidonio, anuncia que no próximo dia 11 de agosto, acontece, em Pontes e Lacerda, o evento de Premiação da Assistência Técnica da Cadeia Produtiva do Leite, o SENAR Tec Leite 2017. A programação está recheada de novidade. Uma delas é que haverá prêmios para os produtores que tiveram melhor produtividade, melhor custo benefício e evolução. “Também terá prêmios para os técnicos”.

Fonte: Assessoria de Imprensa SENAR