ITANHANGÁ/MT, 11 de December, 2019.
(66) 98418-7171
Compartilhe nosso portal de notícias
Grupo envolvido em roubo de defensivos agrícolas é preso em operação
Foto: Noticias de Sorriso

A Polícia Judiciária Civil, o Grupo de Atuação Especial Contra o Crime Organizado (Gaeco), unidade regional de Sorriso, Polícia Militar, Grupo de Combate ao Crime Organizado (GCCO) da Polícia Civil, Ciopaer e a Polícia Rodoviária Federal (PRF) deflagraram, em ação integrada, nesta segunda-feira (11), a operação Camuflagem II.

A iniciativa busca coibir o roubo de caminhonetes e insumos agrícolas nos municípios de Sorriso, Lucas do Rio Verde, São José do Rio Claro, Nova Mutum, Sinop, Canarana e Cuiabá.

Oito pessoas forma presas, dentre eles o proprietário de uma empresa de insumos. A Operação conta com o apoio da unidade regional do Gaeco em Barra do Garças e das Polícias Civil e Militar dos municípios envolvidos.

Um dos casos elucidados é o roubo da fazenda Bom Jesus, em Nova Mutum. Foram 8 presos, dentre eles E.O. P., dono de uma empresa de insumos de Sorriso. Segundo a polícia, ele é suspeito de receptação por supostamente ter comprado defensivos roubados.

Conforme o delegado André Ribeiro, há tempos a PJC de Sorriso vem investigando o caso. “O centro dessa operação é em Sorriso, mas os mandados estão sendo cumpridos em diversas cidades. Eles agiam em toda a região visando o roubo na zona rural, de defensivos e caminhonetes”, informou.

Segundo a promotora de Justiça de Sorriso Maysa Fidélis, nessa segunda fase da operação foram expedidos nove mandados, cuja investigação segue há mais de um ano e meio.

De acordo com o comandante do 12° Batalhão da PM-MT, o tenente-coronel Jorge Almeida, foram apreendidas munições, uma arma de pressão, documentos, além de uma grande quantidade de defensivos agrícolas (a contabilizar) e equipamentos usados pela organização criminosa para roubarem fazendas, como balaclavas e roupas camufladas típicas da Forças Armadas.

Ao todo, foram cumpridos 13 mandados de busca e apreensão e 9 pessoas foram presas. De acordo com o Gaeco, integrantes da organização investigada usavam, em vários municípios do estado, roupas camufladas e entravam nas fazendas para roubar carros e defensivos agrícolas.

Posteriormente, os produtos e veículos eram esquentados e comercializados na região junto a receptadores. Os fatos ainda estão sendo apurados para posterior oferecimento de denúncia criminal.

POR: Porto Noticias
11/11/2019 11:13 / Atualizado 08/12/2019 14:10
Galeria de Imagens
© Copyright 2016- 2019 - Todos os direitos reservados.
Desenvolvimento: Blit Softwares